fbpx

O 18 do Brumário de Boris Johnson, por Andrés Ferrari

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Domingo passado, depois de quase uma semana internado em cuidados intensivos por complicações relacionadas ao corona vírus, Boris Johnson, primeiro-ministro britânico, teve alta e difundiu uma mensagem a população britânica. Afirmou que, sem dúvida, estava vivo graças ao esforço e capacidade do Sistema Nacional de Saúde de seu país, ao qual agradeceu sistemática e fervorosamente. Em seguida, fez um chamado a união dos seus compatriotas na guerra contra esse inimigo ‘desconhecido’ que vencerão.

Ainda que não seja seu tio, nem familiar de qualquer grau, Johnson construiu sua recente ascensão política sobre a memória de quem, por meio da BBC em 2002, foi elogiado como o maior britânico da história por seus compatriotas: Winston Churchill. Diante da pandemia do corona vírus, Johnson tem reforçado seu discurso de bravura bélica numa tentativa de imitar a liderança de ‘sangue, suor e lágrimas’ de Churchill durante a Segunda Guerra Mundial.

Ishaan Tharoor expõe, no Washington Post, a fragilidade dessa pose de Johnson. Segundo a opinião dos especialistas em saúde pública, a taxa de mortalidade da Grã-Bretanha parece estar se encaminhando para ser a mais alta da Europa, tendo superado 12.000 casos. A situação se torna patética quando comparada com a Alemanha: tendo, ambos países, comunicado simultaneamente seus primeiros casos; a Alemanha, com uma população superior em 12 milhões de pessoas, sofreu aproximadamente 3.500 mortes, efetuou mais de 1,3 milhões de testes e adotou uma estratégia de acompanhamento dos contatos – já o Reino Unido levou a cabo menos de 335.000 testes e quase deixou de tentar rastrear agressivamente os contatos. Enquanto a Alemanha tem 42 mortes por milhão de habitantes, o Reino Unido tem 178.

Essa diferença tão grande não se deve, fundamentalmente, a uma questão de capacidade ou de eficiência. Expõe, acima de tudo, as visões opostas de sociedade de cada governo. Em meados de março, com a situação da Itália já dramática e a da Espanha agravando-se rapidamente, Johnson despreocupadamente justificava sua estratégia laxa, sob a qual grande parte da sociedade continuava suas atividades normalmente, insistindo basicamente que os idosos permanecessem em casa. A visão de rebanho de Johnson buscava a “imunização coletiva”, incentivando que os grupos menos vulneráveis contraíssem a doença e se tonassem imunes. Johnson chegou a dizer que era necessário se acostumar a perder alguns entes queridos. Contudo, diante da disparada do número de casos e de mortes, Johnson teve, bruscamente, que voltar a atrás e adotar a estratégia de isolamento social enquanto surgiam projeções que indicavam centenas de milhares de mortos caso prosseguisse com a política em curso.

Por sua parte, dia 11 de março, Angela Merkel, chanceler alemã, alertou que entre 60 e 70 por cento de seu país poderia contrair o vírus. Uma semana depois, falando aos seus compatriotas para lhes explicar o porquê da estratégia de confinamento, defendeu que os internados por causa do corona vírus “não são números abstratos em uma estatística, são um pai e um avô, uma mãe e uma avó, um companheiro. São pessoas e somos uma comunidade em que cada vida e cada pessoa são importantes”. Ainda assim, nesse momento, acrescentou: “em primeiro lugar, dirijo-me a todos aqueles que trabalham como médicos, enfermeiras, funcionários ou qualquer outra atividade em nossos hospitais e no sistema de saúde em geral. Eles estão na linha de frente dessa batalha. São os primeiros a compreender a doença e a gravidade de alguns casos de infecção. Todos os dias vão trabalhar e estão ali por nós. O que fazem é tremendo e quero agradecer-lhes do fundo do meu coração por isso.”

O discurso de guerra adotado por Johnson, em busca de uma comunicação social que faça frente ao ‘inimigo’, se sustenta de forma precária quando não reforça os laços entre as pessoas. O governante expressa a visão de uma sociedade: enquanto os alemães se resguardavam em suas casas, os britânicos ‘aproveitavam’ os dias de sol enchendo praias, parques e outras espaços públicos de lazer – o que deu origem ao termo “covidiota”, difundido, inclusive, pela imprensa do país. De fato, esse comportamento continuou, inclusive depois que o próprio Johnson desesperadamente chamou a população ao confinamento.

O presidente alemão, Frank-Walter Stainmeier, por sua vez, negou que se trata-se de uma guerra porque “não é um embate de nações contra nações ou de soldados contra soldados. Mas sim, uma prova da nossa humanidade”. Merkel também se expressou dessa maneira ao afirmar que a epidemia mostra como somos vulneráveis e dependentes do comportamento dos demais vulneráveis, assim também “como podemos proteger-nos e fortalecer-nos mutuamente atuando juntos”.

Como afirma Tharoor, Johnson se construiu politicamente invocando o espírito de Blitz e a vontade ferrenha de seu ídolo, Winston Churchill. Em seu livro The Churchill Factor, de 2014, Johnson glorifica as qualidades do homem que, em sua opinião, havia salvado a ‘nossa civilização’, deixando claro um paralelismo com ele mesmo. Johnson pôde colocar em prática sua aspiração apresentando-se como fundamento da recuperação da murcha glória britânica, porque surgiu não para superar o corona vírus, mas como líder determinado a conseguir o Brexit.

Johnson em sua mensagem após se recuperar, depois de reposicionar-se como Churchill na luta contra um inimigo que não foi escolhido, valorizou o sistema de saúde, “coração do país que bate”. Agradeceu, particularmente, aos enfermeiros que salvaram a sua vida, cuidando dele sem parar por 48 horas, Jenny, da Nueva Zelandía, e Luis, de Portugal… pouco mais de dois meses depois de ter conseguido o Brexit.

“Os homens ocasionalmente tropeçam com a verdade, mas a maioria se levanta e rapidamente continua como se nada tivesse acontecido”, disse Churchill.

Andrés Haines Ferrari, economista argentino, Professor Adjunto do Departamento de Economia e Relações Internacionais da Faculdade de Ciências Econômicas da UFRGS. Doutor em Economia com ênfase em Economia do Desenvolvimento pela UFRGS.

Foto: Pippa Fowles / nº 10 Downing Street

O seu apoio é muito importante

Faça uma doação e/ou se inscreva em um dos planos de apoio. Participe desse projeto. Ajude a manter e aperfeiçoar o portal América Latina.

Leia também