fbpx

A desinformação e o negacionismo como políticas de Estado, por Leilah Santiago Bufrem

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Diariamente somos bombardeados por informações falsas, dificilmente verificáveis, aparentemente “criadas em laboratórios” e transmitidas oralmente ou pelas redes sociais. Em formato de notícias ou boatos, são reiteradas a fim de simularem realidades, circulando entre um público-alvo amplo ou restrito, focado em função dos objetivos de seus propagadores. Suas implicações ou consequências são imprevisíveis, resultantes de um discurso produzido culturalmente, alimentado por diferentes frações da sociedade. Destacam-se as ações do crime organizado, programadas por agentes políticos direcionados à distribuição deliberada da desinformação com a intenção de manter ou alojar no poder indivíduos ou grupos favoráveis aos seus propósitos. Esses agentes representam campos e graus diversos de periculosidade, mas caracterizam-se pela aderência a ideologias sectárias e pelo desrespeito ao outro, transmitindo intencionalmente informações falsas, de modo impreciso, alarmante e urgente.

No atual cenário brasileiro, a indústria das fake news, promovida pelo governo negacionista da pandemia e seus adeptos, adotou uma política externa marcada pela submissão oportuna ao governo Trump, nos Estados Unidos, gerando os consequentes conflitos diplomáticos e colocando o país em posição precária na corrida pela produção e distribuição de vacinas contra a pandemia do coronavírus. Além disso, as relações com os Estados Unidos conectam-se a outras sociedades autoritárias, adotando uma trajetória de repressão generalizada, como a violência policial racializada, em comum com a violência de outros estados autoritários como o Egito contra manifestantes muçulmanos. Isso nos permite compreender globalmente vários problemas sociais, de modo a promover o desenvolvimento de formações políticas que conectem essas diversas lutas por justiça social além das fronteiras nacionais. Também nos ajuda a compreender, nomear e tornar visíveis as políticas e práticas autoritárias suscetíveis aos parâmetros de uma sociedade totalitária. Qualquer estudo sobre o tema torna-se apenas uma possibilidade de exploração em terreno incerto e duvidoso.

No Brasil, protagonista do mapa da fome, não há participação social nas decisões, não são atendidas as necessidades da população, sequer há serviços públicos suficientes e decentes. O governo volta-se à privatização dos bens públicos e abandona a proteção do meio ambiente enquanto a família presidencial, instalada no poder, defende suas posições e tenta impedir o ritmo da justiça. Diz-se ser o poder um estímulo à corrupção. Concordando-se ou não, temos um problema maior quando os empoderados já têm seus mantos manchados pela corrupção reinante e pela avidez por privilégios dos cargos mantidos pela sociedade, já espoliada. Apoiados pelas milícias violentas e poderosas, procuram retirar do seu caminho os meios para frear a corrupção, ou impedir a continuidade de suas práticas criminosas. Continuam tentando abafar a voz do povo e a mídia mostra isso à exaustão. As pessoas comuns sentem-se fragilizadas para o exercício da cidadania política e, assim, correm o risco de serem julgadas como cúmplices dessa tragédia coletiva, ou como inocentes ignorantes, partícipes do obscurantismo dominante.

Configurando um universo conceitual contemporâneo, representado por termos como fake news, discurso do ódio, negacionismo científico, desinformação, infodemia e pós-verdade, essas ações convergem para a distribuição criminosa da desinformação. Tornando-se política de Estado, seus efeitos práticos vão desde agressões de qualquer natureza, até a morte, aproximando-se do conceito de Achille Mbembe representado pelo termo necropolítica. Institui-se um estado de terror, cuja materialização se dá pela expressão da morte e o poder de escolher quem deve viver e quem deve morrer.

 Embora perceptíveis duas vertentes no atual cenário, ambas direcionadas à política, seja no processo eleitoral, seja na área da saúde, temos razões para privilegiar a segunda. Essa prioridade justifica-se pela emergência das questões levantadas no cenário atual brasileiro, desde o início da pandemia da Covid-19, pois, além da disseminação de notícias falsas através da mídia, em um âmbito mais abrangente, a transmissão de boatos pelas mídias sociais, por usuários comuns, tem proporções inesperadas. O fácil acesso ao lucro de anúncios online, o aumento da polarização política e da popularidade das mídias sociais, principalmente a linha do tempo do Facebook, têm facilitado a propagação de notícias deste gênero. A quantidade de sites com notícias falsas anonimamente hospedados e a falta de editores conhecidos também vêm crescendo, pois isso dificulta o processo de autores por calúnia.

O termo “infodêmico” surgiu em 2003, quando David Rothkopf descreveu um contexto em que fatos, misturados com medo, especulação e boatos, são amplificados pelas tecnologias da informação. Recentemente, Tedros Adhanom, diretor da Organização Mundial da Saúde, referiu-se ao termo “infodemia”, relacionando-o ao sofrimento causado pela COVID-19. Tão perigosas quanto a pandemia, essas notícias médicas falsas têm gerado facilmente uma reação desproporcional de pânico. A metáfora de uma infecção psíquica atribuída a uma contaminação física ilustra também a atual narrativa da “pós-verdade”, incluindo a desinformação como um contágio sem previsão de “antídoto”. A infodemiologia, como derivação, seria o campo recente de estudos, para gerenciar a sobrecarga de informação durante uma epidemia, e tem sido descrito em artigos recentemente redigidos por pesquisadores do Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo (RISJ) e do Instituto de Internet de Oxford. Visando contrapor-se e combater atitudes negacionistas e reativas de alguns governos em divulgar informações exatas e estatísticas sobre a expansão da pandemia, organismos nacionais e internacionais unem-se no esforço da “contra desinformação”, com a intenção de minimizar seus efeitos. É o caso do Brasil, com a criação do consórcio de veículos de imprensa, formado por O Globo, Extra, G1, Folha de S. Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo. Essa iniciativa reúne informações das secretarias estaduais de Saúde divulgadas diariamente, cuja iniciativa deveu-se às inconsistências e à falta de regularidade nos dados apresentados pelo Ministério da Saúde. Um apoio internacional tem sido a Folha Informativa COVID-19, do Escritório da OPAS e da OMS no Brasil (https://www.paho.org/pt/covid19)

Assim, embora seja tentador discutir as relações entre a desinformação e a cidadania a partir de perspectivas da ética e da competência crítica em informação, importa primeiramente reconhecer as relações presentes na atual conjuntura. Para tanto, evidenciam-se destaques do cotidiano da desinformação, a partir de um quadro analítico para a distinção das narrativas em relação aos seus propósitos, a sua natureza e ao status de seus produtores e interpretantes.

Nesse processo de desinformação, destacam-se propósitos políticos, lúdicos ou denuncistas, representando categorias não mutuamente excludentes, a priori, mas passíveis de observação para definição da predominância de uma delas. Assim, a divulgação de conteúdo intencionalmente enganoso e falso, como forma de intervenção com motivações políticas a fim de se obterem retornos financeiros ou políticos, é diferente da sátira, cujo objetivo é ridicularizar um determinado tema e da paródia, ou releitura cômica de alguma composição literária ou musical. Frequentemente utilizando ironia e deboche, a sátira e a paródia assemelham-se à realidade ou obra original e, quase sempre, têm sentidos diferentes da denúncia pois empregam narrativas ridículas ou cômicas. Quanto às denúncias, são inteiramente fabricadas para acusar pessoas, grupos ou associações, muitas vezes com a produção de manchetes sensacionalistas, exageradas ou evidentemente falsas para chamar a atenção contra alguém ou alguma coisa.

Preconceitos sensacionalistas, geralmente de autovalorização e com objetivos políticos, atuam em detrimento do conhecimento científico e do saber institucionalizado. Na atual conjuntura internacional da pandemia e, de modo especial no Brasil, a violência de Estado vem respaldada por uma forma de poder capaz de afetar aspectos relativos aos modos de prevenção ou agravamento da força virótica do Corona. Ideias prontas e preconceituosas têm sido vendidas por empresas como aquelas contratadas pela deputada Bia Kicis, em Brasília, hoje alvo do inquérito sobre as fake news no (Supremo Tribunal Federal). Nesse período, como apurou a reportagem, Kicis disseminou, em suas redes sociais, notícias comprovadamente falsas e/ou distorcidas sobre o combate ao coronavírus e contra adversários políticos do presidente de República, participando ainda da convocação de pessoas para as manifestações antidemocráticas e anti-isolamento social, investigadas pelo STF desde abril. Os serviços dessas empresas são pagos com verba parlamentar, ou seja, com dinheiro público. Alvos dos discursos passam a ser desqualificados, informações falsas ou deturpadas são espalhadas com rapidez e facilidade, prejudicando a luta pela vida diante do Coronavírus.

No caso especial da população brasileira, a disseminação de rumores oriundos de motivações políticas negacionistas, além de propagar noções falsas, tais como os benefícios da ingestão de água sanitária e esterco de vaca, para afastar ou evitar a doença, e atualmente as notícias mentirosas sobre efeitos nocivos e irreparáveis das vacinas, provoca a morte ou graves prejuízos, pois acaba confundindo a população quanto às principais medidas de prevenção como lavar as mãos com frequência e evitar contato próximo com suspeitos da doença, além de prejudicar a cobertura profissional da imprensa e tornar mais difícil para os agentes da informação cobrirem notícias importantes. Mais recentemente, as redes veem propagando boatos sobre a vacina das farmacêuticas Pfizer e BioNTech para Covid-19 e mazelas relacionadas ao câncer, à infertilidade em mulheres e a mudanças no DNA, entre outros absurdos, chegando ao cúmulo da recente afirmação presidencial reiterativa de não tomar uma futura vacina.

O propósito de satirizar também tem contribuído para enganar ou ridicularizar pessoas ou coisas e as declarações presidenciais são exemplares quanto ao contrato com a Pfizer e os efeitos colaterais da vacina: “Se você virar o jacaré, é problema de você. Se você virar o Super-Homem, se nascer barba em alguma mulher ou algum homem começar a falar fino, eles não têm nada a ver com isso…”.

Esgotando as categorias selecionadas quanto aos propósitos das notícias falsas, a figura presidencial também se manifesta com propósitos denuncistas, quando acusa indevidamente os poderes constituídos.   

Reconhecida a possibilidade de selecionar criticamente as informações importantes para o combate presente, importa salientar as relações de poder constantes em recentes declarações como sobre o “finalzinho da pandemia”, pois, além de transmitir uma informação falsa, utilizando o diminutivo, como já tem feito em relação à “gripezinha”, contribui para a onda de desinformação, situando-se em realidade paralela. Cercado de crentes seguidores, não somente descuidado em relação à tragédia, faz comentários irônicos quanto às medidas de proteção necessárias diante do crescimento assustador de casos, hospitalizações e mortes. Entre seus seguidores, incluem-se os negacionistas, reacionários às medidas de prevenção e aos cuidados contra a contaminação. Frequentadoras assíduos de festas, bares e restaurantes, essas pessoas mantém-se indiferentes aos apelos em prol da responsabilidade social. Há, por outro lado, quem perceba a gravidade da situação, seja pelo seu grau de informação e conhecimento, seja pela sua capacidade de observação e crítica à conjuntura, constituindo-se outro grupo de interlocutores, nem fiéis, nem indiferentes, mas capazes de duvidar dos mitos produzidos pelo fascismo.

Tudo isso demonstra como a ideologia causadora do espalhamento de notícias falsas sobre o coronavírus tem causado milhares de mortes. Informar, desinformar e apagar informações tem se constituído em um conjunto de atividades nocivas à saúde, provocando, não só o agravamento da pandemia, como a resignação diante do esvaziamento do pensamento reflexivo.

Foto: Agência Brasil

Leilah Santiago Bufrem é Doutora em Ciências da Comunicação pela ECA/USP e professora visitante no Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação da UFPB.

O seu apoio é muito importante

Faça uma doação e/ou se inscreva em um dos planos de apoio. Participe desse projeto. Ajude a manter e aperfeiçoar o portal América Latina.

Leia também