O interesse escuso de se tonar keynesiano, por André Moreira Cunha e Andrés Ferrari

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

De repente, todos se tornaram keynesianos, ou melhor, abertamente keynesianos.

Continuam insistindo no discurso ideológico, falaz e fantasioso, do livre mercado apenas aqueles cuja função é vender socialmente este conto. Porém, as estruturas de poder econômico que os sustentam não deixaram de correr aos braços da ajuda econômica do Estado.

O risco sistemático e a ameaça de uma perda intensa e rápida do valor das reservas privadas fazem com que prevaleça o “pragmatismo”. Nada de novo para Keynes que afirmou que as economias capitalistas de mercado eram inerentemente instáveis e só rara e brevemente poderiam chegar ao pleno emprego sem a atuação do Estado. Além de tenderem a uma injusta concentração de riqueza.

Seus críticos adeptos do livre mercado só podem culpar por esses resultados, inerentes ao capitalismo, “a corrupção dos políticos” e a “ineficácia da atuação estatal” como simples verdades, dando as costas para as corrupções e ineficácias de alguns agentes privados que cotidianamente são noticiadas.

A história real do capitalismo, claro, sempre foi outra. O Estado sempre esteve fortemente presente e a grande iniciativa privada atrás. Por isso, rapidamente exigiram e aceitaram a “ineficiente e corrupta” ajuda estatal.

A intervenção estatal é um fato na história do capitalismo: é assim que funciona. Não tem sentido questioná-la, a menos que se pretenda discutir o próprio capitalismo. O que, sim, tem sentido é discutir como será essa intervenção. Quando se produzem grandes crises é quando se implora abertamente a intervenção estatal…

Por exemplo, em dezembro de 2007, antes da quebra do Lehman Brothers, os balanços dos bancos centrais dos Estados Unidos, da zona do Euro, do Japão e da China totalizavam ativos da ordem de 5 bilhões de dólares. Em março de 2020, este montante alcançou US$ 21,6 bilhões. Portanto, em pouco mais de uma década, os bancos centrais dessas economias quadruplicaram seus meios de pagamento. O medo de uma desorganização violenta dos mercados livres era maior que o medo da inflação. Isso, como sabemos, não pareceu surpreender os economistas tradicionais.

A política “não convencional” posterior a 2008 tinha a intenção de evitar uma queda generalizada dos preços dos ativos financeiros, o que poderia agravar ainda mais a crise financeira que logo se revelou a maior desde 1929. Olhando em retrospectiva, parece não haver dúvida de que a estratégia fui um grande sucesso. Entretanto, a coragem dos bancos centrais se limitou a não cumprir as “boas práticas” que garantem a “coerência intertemporal” da política monetária. Foi dada pouca importância e quase nada foi feito no tocante aos seus efeitos secundários negativos, que ampliaram o desequilíbrio distributivo: só houve Keynes para os ricos e especuladores financeiros.

Agora, a história se repete com a pandemia de Covid-19. A “máquina de fazer dinheiro” dos estados nacionais começou a ser utilizada novamente. Nos Estados Unidos, o Federal Reserve retomou a compra de ativos de intermediários financeiros e do Tesouro e anunciou a extensão de seu apoio a empresas não-financeiras, governos locais e famílias. Todos os pacientes serão tratados no hospital do Federal Reserve: alguns em macas espelhadas pelos corredores e outros em quartos individuais luxuosos. Seu diretor, Jerome Powell, ignorou os manuais de Economia Monetária e os ideólogos midiáticos do livre mercado antiestatal e destinou U$S 2,3 trilhões adicionais a vários fundos de investimento, incluindo U$S 850 bilhões para assegurar alguns títulos de qualidade duvidosa. Certamente, virá muito mais…

A velocidade da recente intervenção do Federal Reserve também é impressionante. Seu balanço geral cresceu mais de 50% em dois meses, chegando a U$S 6,6 trilhões (32% do PIB), no final de abril de 2020. Colocando em perspectiva: nos anos anteriores a crise financeira de 2008-2009, seus ativos estavam entre U$S 750 bilhões e 900 bilhões, entre 4,8% e 5,5% do PIB. Essa proporção mais que quadruplicou em uma década – e o crescimento mensal relativo mais intenso ocorreu quando se percebeu a gravidade da recente pandemia.

O mais impressionante é que: se a visão dominante sustenta que o Estado não deve intervir, por que quando surgem crises aceita que o Estado intervenha? Mais impressionante ainda: além de aceitar que o Estado intervenha, confia-se nessa intervenção. Em outras palavras, por que os agentes econômicos e sociais, que sustentam permanentemente que o Estado é ineficiente em sua ação, aceitam o risco de uma intervenção?

A explicação, na realidade, é muito simples: o processo de constituição da organização social capitalista esteve diretamente relacionado com a centralização do poder estatal. Como mostram obras fundamentais de autores como Karl Polanyi (A Grande Transformação), Fernand Braudel (Civilização material, economia e capitalismo) e Norbert Elias (O Processo de Civilização), os Estados nacionais modernos criaram as condições objetivas para que pudesse prosperar a ‘busca individual pelo lucro’. A ação do Estado é muito mais que a simples garantia de direitos de propriedade e seguridade pessoal. Ela é o marco da própria existência da sociedade de mercado capitalista. Esses autores, entre outros, mostraram que quanto mais complexa se torna a sociedade de mercado, mais visível se torna a mão do Estado.

Os ideólogos do livre mercado fazem uma leitura fantasiosa da dinâmica histórica do capitalismo segundo a qual a ação estatal vai contra a busca individual de riqueza – para, desse modo, limitar essa ação somente aos grandes agentes privados. Porém, diante das grandes crises, o relato ideológico do ‘livre mercado’ se converte numa ficção totalmente insustentável porque só a atuação forte e aberta do Estado pode recompor a economia capitalista. Em outros termos, as grandes crises tornam impossível negar o verdadeiro funcionamento ‘da economia de marcado’.

Desse modo, a pandemia de coronavírus só reafirma a verdade profunda de que no capitalismo as regras do jogo se invertem e se transformam a partir da complexa interação entre os poderes estatais, os interesses privados e as pressões sociais. Em tempos de crise, os Estados não têm tempo a perder com fábulas e se reinventam atuando forte e decididamente na economia, tanto a nível nacional, onde monopolizam o poder em todas as suas dimensões, como a nível internacional, onde buscam se impor sobre os demais.

Os atores privados aceitam este Estado intervencionista porque a única coisa certa nesse contexto é que ninguém quer perecer abraçado a teoria econômica do livre mercado. Sabem que são verdadeiras as palavras de Keynes: “são as ideias, não os interesses escusos, o mais perigoso para o bem ou para o mal”.

Tradução: Bruno Roberto Dammski

Foto: George Fayer/ Library of Congress

Andrés Haines Ferrari, economista argentino, Professor Adjunto do Departamento de Economia e Relações Internacionais da Faculdade de Ciências Econômicas da UFRGS. Doutor em Economia com ênfase em Economia do Desenvolvimento pela UFRGS.

André Moreira Cunha é Doutor em Economia pela Unicamp e Professor Associado do Departamento de Economia e Relações Internacionais da UFRGS.

Leia também