fbpx

A cooperação científico-tecnológica entre China e América do Sul, por Maria Jose Haro Sly

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Quando um projeto desenvolve novas tecnologias, dura mais de 30 anos e é executado por dois países completamente diferentes localizados em pontos opostos do planeta, uma “comunidade de futuro comum” é criada. Este é o caso do CBERS, o programa Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres (em inglês ‘China-Brazil Earth Resources Satellite’, ou na sigla ‘CBERS’) que recentemente colocou seu sexto satélite de sensoreamento remoto em órbita. 

Apesar das diferentes trajetórias de desenvolvimento – o Brasil se equilibrando em seus pêndulos políticos e econômicos enquanto a China segue em linha reta na corrida econômica e tecnológica – ambos os países superaram as dificuldades em alcançar seus objetivos tecnológicos. 

Esta é uma cooperação mutuamente benéfica e de grandes investimentos. O projeto começou com 70 por cento de fundos chineses e o resto provido pelo Brasil. Agora os dois países detêm parcelas iguais de 50 por cento no projeto. 

O programa CBERS foi avaliado em $150 milhões de dólares para o desenvolvimento, a construção e o lançamento dos dois primeiros satélites. Cada satélite custa cerca de $50 milhões. Até o CBERS-4 ser lançado, o montante de recursos financeiros e tecnológicos de Brasil e China foi de cerca de $300 milhões.

Um dos grandes resultados do projeto é a capacidade construtiva e os recursos humanos desenvolvidos na área .Antônio Carlos Pereira, líder brasileiro do programa CBERS, contou ao jornal Global Times que, “A parceria espacial com a China é bastante ampla, incluindo o desenvolvimento conjunto de satélites, o intercâmbio de pesquisadores e estudantes, e as parcerias de pesquisa nas áreas de ciência espacial e de ionosfera.” 

O setor espacial no Brasil se beneficiou do programa CBERS, gerando uma série de empresas privadas destinadas a criação de soluções para satélites. O setor aeroespacial no Brasil criou mais de 22 mil empregos de alta qualidade e mais do que $6,5 bilhões em exportações de alto valor agregado para o país.

Célio Costa Vaz da Orbital Engineering, uma empresa produzindo geradores solares para satélites, disse que, “A China é o maior parceiro comercial do Brasil e o CBERS é o exemplo mais bem-sucedido de cooperação Sul-Sul em alta tecnologia. O mais importante fruto do programa foi o desenvolvimento da capacidade de montar e integrar grandes satélites, assim como o incentivo para o complexo de inovação nacional em uma indústria de alta tecnologia como a espacial, que poucos países conseguem implementar. Mesmo assim o programa precisará de alguns ajustes, como a redefinição da missão e o avanço para a nova era de micro e nano satélites.”

A questão mais importante é: como expandir e multiplicar essa experiência de sucesso na região?

Viajando para as estrelas

Professores chineses na Universidade de Renmin entenderam o economista argentino Raul Prebisch. Meio século atrás, Prebisch escreveu sobre a deterioração em termos comerciais das transações de commodities e comida por produtos industrializados. 

Ele afirmou que uma das características do progresso técnico era que este não penetrava igualmente em todas as atividades, o que era de considerável importância para as diferenças estruturais entre processos de desenvolvimentos nacionais ao redor do mundo. 

Ainda hoje, o núcleo das relações bilaterais entre a China e a maioria dos países sulamericanos está concentrado na exportação de recursos e a importação de tecnologias. Há clareza no fato de que a América Latina permanece como uma fornecedora de produtos primários, o que deve ser mudado, e existe espaço para cooperação em muitos outros campos. 

Por exemplo, o CBERS no Brasil é gerido pelo Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (INPE). O INPE está localizado em São José dos Campos, em São Paulo, um dos centros da empresa aeronáutica EMBRAER e outras importantes indústrias de defesa. 

Por outro lado, o INPE foi o centro de testes para a série de satélites argentinos SAC. A série foi desenvolvida pela INVAP, a empresa estatal argentina de alta tecnologia trabalha com projetos de serviços nucleares, aeroespaciais, químicos, médicos, de petróleo e de atendimento ao governo. 

Foi assim até a Argentina construir seu próprio Centro de Testes de Alta Tecnologia Sociedade Anônima (‘CEATSA’ em Espanhol) em 2011 para desenvolver a série de satélites ARSAT. Este setor será uma prioridade para o novo governo, visto que o Presidente Alberto Fernández reestabeleceu o Ministério de Ciência e Tecnologia com o objetivo de aumentar os investimentos no setor produtivo do país. 

Emmanuel Guerra, um diplomata do Ministério de Relações Exteriores da Argentina, disse que, “A cooperação nas áreas nuclear e espacial tem sido substanciais e relevantes para a Argentina. Na área espacial, há dois projetos de maior escala: a estação espacial para a observação do espaço sideral instalada na província de Neuqúen, que já está operacional, e o telescópio rádio em construção em San Juan. Na área nuclear, um projeto de usina nuclear a ser construído com tecnologia chinesa [Hualong-1] está em negociação. Não se sabe qual será a abordagem da nova administração a estes novos projetos, mas se espera que a China continue a desempenhar um papel central nestas áreas.” 

Impulsionando o crescimento

Existe um espaço significante para a cooperação com a Argentina, mesmo que seja necessário encontrar mais áreas em comum para os desenvolvimentos conjuntos de pesquisa e tecnologia. 

Em adição, a energia nuclear argentina é importante para a região. Em 2015, a Argentina negociou a construção de duas usinas nucleares com a China. 

O país sulamericano negociou financiamento chinês para uma usina nuclear de urânio natural e água pesada, na qual podia usar 70 por cento de tecnologia argentina. 

A China propôs a instalação de um reator térmico que usa urânio enriquecido com tecnologia própria. No entanto, a Argentina teve de lidar com a oposição de Washington à instalação de usinas nucleares chinesas.

O governo argentino sinalizou o possível cancelamento destes projetos durante a visita de Trump a Buenos Aires em 2018. A última comunicação do governo anterior foi a decisão de construir uma usina nuclear com tecnologia chinesa. 

A construção de duas usinas, uma com tecnologia argentina e a outra com tecnologia chinesa, teria permitido ao país sulamericano continuar crescendo em produção de energia. Quando os projetos geram demandas tecnológicas da indústria nacional, trazem mais benefícios ao país. É bastante possível que as usinas nucleares sejam rediscutidas e que finalmente a Argentina siga com a cooperação nuclear mutuamente benéfica com a China.

A Argentina, em particular, precisará de investimentos e inovação em produção de energia, posto que o país tem um significativo déficit energético. 

O desenvolvimento de energia tradicional e verde encontrará novas oportunidades no país. A energia é uma condição primária para o desenvolvimento econômico e social e um grande obstáculo para países em desenvolvimento. 

A Argentina e o Brasil têm recursos energéticos, investimentos e o desenvolvimento tecnológico é necessário para fazer uso deles de uma forma sustentável. 

Discussões atuais na América do Sul estão centradas em como equilibrar um modelo produtivo baseado em agregar valor a recursos naturais de forma sustentável e favorável ao meio ambiente. 

Com altos e baixos, tradições em aviação, tecnologias nucleares e em satélites carregam o potencial para expandir a cooperação na América do Sul. 

Para conseguir mais resultados da cooperação e explorar novos campos entre a China e a América Latina, nós precisamos entender uns aos outros. As ciências sociais e em particular uma nova discussão sobre desenvolvimento são necessárias para construir uma nova ordem internacional para o século XXI. 

A experiência chinesa em desenvolvimento e inovação tecnológicas é um bom exemplo. 

Um desenvolvimento mais equilibrado no mundo não é apenas possível, mas condição sem a qual não é possível criar uma comunidade de futuro comum para a humanidade.

Foto: Telescópio construído no condado de Pingtang County, na província de Guizhou, na China. Xinhua News Agency

Fonte: Global Times 

Publicado em: 16/01/2020

Maria Jose Haro Sly é socióloga, nascida na Argentina. Mestre em Relações Internacionais pela Universidade Federal de Santa Catarina e mestranda em Estudos Contemporâneos da China pela Escola da Rota da Seda, da Renmin University of China.

O seu apoio é muito importante

Faça uma doação e/ou se inscreva em um dos planos de apoio. Participe desse projeto. Ajude a manter e aperfeiçoar o portal América Latina.

Leia também